segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Estudo para o MPRJ Sugere Obras nas Linhas 1 e 2

O Ministério Público Estadual encomendou um estudo à Ambiental Gateway para analisar o atual sistema metroviário do Rio de Janeiro, quanto aos seus aspectos físico e operacional. O parecer do documento é um suporte ao inquérito civil do MPRJ em relação as obras em curso da Linha 4. Para tal estudo foram consideradas as Linhas 1, 1A, 2 e 4 e a atual política metroviária que optou por construir a Linha 1A em vez de terminhar a Linha 2 e a de construir a Linha 4 como extensão da Linha 1.

O estudo começa ilustrando como deveria funcionar o projeto original do metrô. A Linha 1 e a Linha 2 teriam uma capacidade de transportar 72 mil passageiros por hora. 

No entanto, a capacidade metroviária de transportar passageiros caiu quando a Linha 2 foi substituída pela Linha 1A. Não foi apenas isso. O tempo de espera dos passageiros aumentou, pois na bifurcação entre as linhas, após a Estação Central, uma composição deve aguardar a seguinte para entrar na Linha 1.

A segunda parte do estudo descreve a escolha por construir a Linha 4 como extensão da Linha 1, em vez de construir a Linha 4 original e independente. A situação criada pela Linha 1A tende a piorar e vai impactar a Linha 4, que nada mais é que a Linha 1 já impactada pela junção das linhas. A concessionária Metrô Rio, que cuida apenas da operação metroviária e não da obra de futuras extensões e linhas, ainda não definiu oficialmente como funcionará o metrô uma vez que a Linha 4 for implantada. Mas fato é que a Estação Gávea terá duas estações, assim como a Estação General Osório, e que haverá uma linha ligando diretamente a Estação Antero de Quental à Estação São Conrado, sem passar pela Estação Gávea. Ou seja, teremos a Linha 4A e a Linha 4B. Aliás, já se levou em consideração o X provocado pela Estação General Osório e Estação General Osório 2.

Análise do Sistema Metroviário do Rio de Janeiro:
O único trecho do sistema metroviário do Rio de Janeiro que ainda não operará saturado nos horários de pico a partir de 2016 será o trecho entre a Estação General Osório e a Estação Central. Mesmo assim, este trecho estará operando com taxa de ocupação no limite de conforto, com tendência de agravamento nos anos seguintes, caso nada seja feito.

É possível afirmar que a Linha 4 vai ampliar a área de atendimento do sistema metroviário do Rio de Janeiro sem, no entanto, ampliar a capacidade do sistema, ou apresenta-se limitado devido às alterações do projeto original (leia-se Linha 1A).

Análise dos Projetos de Expansão do Metroviário do Rio de Janeiro:

A partir da análise mostrada no quadro ao lado, apenas três dos novo projetos metroviários considerados no PDTU ampliam a capacidade operacional do sistema de metroviário: fechamento da Linha 1, Linha 2 até a Praça XV e Linha 4 Alvorada - Praça XV, sendo que o fechamento da Linha 1 não amplia a área de atendimento do sistema, isto é, não captura nova demanda.

Depois desta análise, especialistas definiram cinco critérios para avaliação para definição da primeira versão da rede futura (2021) metropolitana. A saber: financeiro; evita sobreposição excessiva de oferta; potencial de demanda; consolidação de rede radialtransversal; e impactos sociais, ambientais e econômicos.

Dos 17 projetos selecionados para compor a Rede Futura (2021), seis são metroviários, sendo que os três prioritários coincidem com a análise anterior.

Diante de todo o exposto, verificou-se que o "fechamento da Linha 1 Uruguai-Gávea", a "Linha 2B, Estácio - Praça XV" e Linha 4B, Alvorada - Praça XV" são os projetos metroviários considerados como prioritários no PDTU e que também foram identificados na análise apresentada neste Parecer Técnico, como aqueles que podem ser adotados como medida mitigadora/compensatória dos impactos sistêmicos do início da operação da Linha 4 do metrô.

É importante ressaltar que a combinação do fechamento da Linha 1 e levar a Linha 2 até a Praça XV elimina a limitação da capacidade operacional do sistema metroviário da cidade gerada pela implantação da Linha 1A e consolidada com a implantação da Linha 4. Assim, a implantação combinada destes dois projetos permitirá que o sistema atinja novamente a capacidade operacional de 72 mil passageiros por hora.

A conclusão do trecho Uruguai-Gávea da Linha 1, isoladamente, apresenta como principal vantagem, a possibilidade de dobrar a capacidade operacional da Linha 1, desde que operada independentemente das Linhas 1A e 4, a um custo de implantação relativamente baixo se comparado ao custo de implantação dos outros projetos metroviários considerados como prioritários. Nesse contexto, a Linha 1 seria transformada em circular, permitindo que o usuário escolha o sentido que prefere seguir (norte ou sul) para alcançar qualquer estação servida pela Linha 1. Assim, a Linha 1 seria capaz de absorver a demanda adicional proveniente das Linhas 2 e 4, com transbordo na Estação Gávea (Linha 4) e na Estação Estácio (Linha 2).

, desde que reduzido o headway para 90 segundos, e conseqüentemente, aumentada a frota em operação.

A implatanção da "Linha 2B, Estácio - Praça XV", por si só, também viabiliza a ampliação da capacidade operacional do sistema e, embora amplie a área de atendimento do metrô, não deverá capturar nova demanda de forma expressiva, já que corta a área central - principal destino das viagens nos horários de pico. A implatanção desse projeto deverá permitir que mais passageiros com origem na Zona Norte acessem a área central sem necessidade de transbordo e, possivelmente com maior conforto.

A implantação da "Linha 4B, Alvorada - Praça XV", por sua vez, possibilita apenas a ampliação da capacidade operacional da Linha 4, que poderia atingir 72.000 passageiros por hora, porém não possibilita a ampliação da capacidade operacional das demais linhas do sistema metroviário (linhas 1 e 1A), que permacerão com a sua capacidade operacional limitada a 54.000 passageiros por hora no trecho compartilhado (entre as estações Central e Botafogo) e 27.000 passageiros por hora nos trechos não compartilhados.

Conclui-se, portanto, que o "fechalemtno da Linha 1, Uruguai - Gávea" e a implatançaõ da "Linha 2B, Estácio - Praça XV" são os projetos metroviários avaliados no PDTU que deverão mitigar os impactos sistêmicos gerados pela implantação das Linhas 1A e 4 e, conseqüentemente, garantir a eficiência operacional no médio e longo prazo, sendo certo que a implantação combinada desses projetos deverá potencializar e maximizar os impactos positivos de cada um isoladamente no sistema metroviário do Rio de Janeiro.

Nesse contexto, a implatançaõ da "Linha 4B, Alvorada - Praça XV" seria o terceiro projeto metroviário na ordem de prioridade, seguido pelos demais projetos indicados no PDTU para compor a Rede Básica (2021).

68 comentários:

  1. Só vou conseguir ler o texto com calma a noite mas uma coisa tenho comentar....eu achava que a Gávea tava sendo construida com 2 plataformas paralelas...não entendi nada agora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela está sendo construída com duas plataformas para receber duas linhas diferentes de metrô.

      Excluir
  2. Gávea está sendo construída com 2 plataformas paralelas, com os túneis cruzando-se em níveis diferentes em algum ponto entre Gávea, São Conrado e Leblon.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que alivio que isso me dá hehe....sinal de que os projetos originais posssm ser restaurados com essas ações do MP...se não me engano foram eles que conseguiram que a Gávea fosse constuida assim

      Excluir
    2. Flávio: o cruzamento é entre Gávea e Leblon e as linhas chegam paralelas na Estação Gávea.

      Excluir
    3. Dessas novas estações a que me desperta mais curiosidade é a Gávea por causa dessas plataformas....quero ver isso na prática como irá funcionar.

      Excluir
    4. Gabriel, vai funcionar como a Estação Saes Peña que tem 3 plataformas em paralelo. Só que ali é tudo na mesma direção. Até fazerem as outras obras, a Gávea também vai ter apenas uma direção.

      Excluir
    5. Entendi....pior vai ser ela funcionar por muito tempo abaixo de suas capacidades.

      Excluir
    6. É exatamente isso que vai acontecer. E ainda vão dividir a operação da Linha 4 em Linha 4A e Linha 4B.

      Excluir
  3. E o término da linha 2 até Belford Roxo? Será que vai ser feito algum dia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me pergunto se realmente é necessária essa expansão já que Belford Roxo já é atendida pela SuperVia.

      Excluir
    2. Seria interessante porque, no futuro, seria possível fazer uma linha 2A, convertendo para metrô o trecho não comum da linha 2 e do Ramal Belford Roxo, com baldeações em Pavuna e Del Castilho, eliminando o trecho comum entre Del Castilho e São Cristóvão.

      Excluir
    3. Compartilhamento de linha igual a linha 1A?

      Excluir
    4. Samir, espero que sim. Mas é importante terminhar a Linha 2 no Centro primeiro.

      Excluir
    5. Flávio, não entendi o que seria este trecho não comum da Linha 2. No entanto, o projeto original da Linha 2 previa que fosse Belford Roxo - São Gonçalo.

      Excluir
    6. Cuidado com os números. O projeto de uma Linha 2A original existe e é transversal à Linha 2.

      Excluir
    7. Gabriel, o projeto da Linha 1A tem que morrer e ser enterrado. Para sempre.

      Excluir
    8. Sim....o problema é que a Supervia ainda não colocou trens novos e com ar aqui - moro em Coelho da Rocha - e ainda não começou a reforma das estações. Será que estão esperando terminar a linha 2?

      Excluir
    9. A linha 2A seria para ligar ao metrô uma nova rodoviária no entroncamento da Dutra com a Brasil. OK, que fosse linha 2B.
      Gabriel, não. Sem compartilhamento de linhas. O que eu estou sugerindo é:
      1) Que a linha 2 seja construída direito. Os trechos Estácio - Carioca - Praça XV e Pavuna - Belford Roxo;
      2) Adaptação do trecho Pavuna - Costa Barros - Barros Filho - Honório Gurgel - Rocha Miranda - Mercadão de Madureira - Cavalcanti - Tomás Coelho - Pilares - Del Castilho para operar como Metrô, como uma linha auxiliar à Linha 2, com transbordo para ela nas estações Del Castilho e Pavuna;
      3) Desativação total do Ramal Belford Roxo;
      E nessa ordem, para o mínimo impacto para o cliente do Ramal Belford Roxo, que no final das contas poderia usar só o metrô.

      Excluir
    10. Samir, não. Não é por causa disso. Este projeto está suspenso, paralisado (e talvez enterrado) desde os tempos de Moreira Franco.

      Excluir
    11. Flávio, se o metrô chegar a Belford Roxo por que vai desativar os trens? Não pode ter os dois? Ainda digo mais: como são concessionárias diferentes, a da Supervia não vai querer perder Belford Roxo, nem os passageiros que vão a destinos diferentes, que o metrô não leva.

      Excluir
    12. Miguel, minha visão é estatista. Eu vejo isso tudo em um cenário onde não tenhamos concessionárias, e a distribuição dos modais seja feita pelo Estado, de forma a melhor atender o cidadão. Só penso que o ramal Belford Roxo tem muitos trechos comuns à Linha 2, e que essa que eu sugeri seria uma alternativa interessante.

      Excluir
    13. Flavio, muito difícil essas concessões serem canceladas mas por um.lado seria bom isso pra acabar com o compartilhamento de linhas com o ramal de saracuruna até o Maracanã.

      Excluir
    14. Samir, bem o mal tem a SuperVia, pior é aqui em Jacarepaguá que nos enfiaram goela abaixo o BRT e pelo jeito serão décadas assim...se for pra fazer essa obra na linha 2 acho que passa longe de ser uma prioridade.

      Excluir
    15. Miguel, com certeza...isso não era nem pra ter nascido mas já que já foi feito tem que morrer e ser enterrado o mais rapido possível.

      Excluir
    16. Flávio, entendi. Mas infelizmente, a realidade não é essa, apesar do abuso de todas as concessionárias.

      Excluir
    17. Se o Brasil fosse sério, as concessões seriam canceladas.

      Excluir
    18. Metrô nada mais é que um trem metropolitano.

      Excluir
    19. Exato. Morte à Linha 1A. Pior é que a Linha 4 vai ter um Y após a Estação Cantagalo, outro após a Estação Antero de Quental e outro após a Estação Gávea. Risco de acidentes.

      Excluir
    20. O Ex-prefeito Conde afirmou que levar a linha 2 do metrô a Pavuna foi um erro, só que ninguém deu bola para o que ele falou, em que deveria em vez de ir a Pavuna, ter levado em direção a Jacarepaguá e Barra da Tijuca. A linha amarela seria contigua ao metrô e o trajeto inhaúma a Pavuna seria a linha verde, seria uma expressa com grande capacidade de transportar até a avenida Brasil e linha Amarela. No final despencou o Ramal de Belford Roxo que poderia ter aproveitado essa idéia.

      Excluir
    21. Marcos, eu respeito tua opinião mas eu tendo a discordar sempre que o modal rodoviário seja a solução para o transporte de massa. Não acho que levar o metrô à Pavuna foi um erro. O erro foi ter parado a expansão do metrô fluminense.

      Excluir
    22. Ele tava tão "certo" qd disse isso que perdeu as eleições nessa declaração.

      Excluir
    23. Miguel, quem fez o Metrô até a Pavuna, acreditaria na implementação metroviária da linha 6, ou antiga linha 3 ou corredor T5.
      Como a linha Amarela foi construída com muito atraso, e o metrô ali demandaria um gasto bem maior que a linha amarela em si, perderam a oportunidade de aumentar a capacidade da ligação. Posso enumerar vários prejuízos aqui com a linha 2 pavuna, mas não temos condição de fazer todos os acertos de levar o metro a todos os bairros.

      Excluir
    24. Mas a Linha Amarela é da prefeitura, certo?

      Excluir
    25. Ainda não entendi onde tá o erro do metrô até a Pavuna, toda a cidade merece metrô perto

      Excluir
    26. O erro que ele menciona é que já havia outras formas dos moradores da Pavuna se deslocarem pela cidade. Tampouco considero um erro. O metrô está superlotado na Pavuna. Imagina se não tivesse o metrô como estariam os trens!

      Excluir
    27. Pois é. Eu acho que seria um erro levar da Pavuna pra Belford Roxo pq seria o mesmo caminho e estações da SuperVia. Se for pra ir pra baixada que siga outro caminho

      Excluir
    28. Gabriel, não errado porque desafoga os trens e depois pq o metrô oferece destinos que os trens não oferecem.

      Excluir
    29. Sei lá, acho que uma reforma e colocar mais trens no ramal Belford Roxo ajudaria essa região. Existem outras áreas como Jacarepaguá e Ilha do Governador que precisam muito mais e nem são cogitadas pelo governo.

      Uma coisa sobre a linha 5 original. Se ela fosse construida, a partir da rodoviária ela poderia ser em superfície?

      Excluir
    30. Com a linha 2 implementada (que não pode ser desfeita), o melhor é leva-la até Belford Roxo, pelos trilhos da Supervia, pela possibilidade da oferta do sistema(posições das estações em áreas densas), ser melhor do que a Supervia. Aí alguém diria para que destruir um ramal para fortalecer outro? Por que o impacto naquela região teria um ganho social muito grande e valorizaria aquela região com uma linha mais estruturada.

      Excluir
    31. Se a linha 2 fosse a JPA/Barra, ela não teria um comportamento de linha pendular, Seria uma linha transversal. Ela absorveria demandas do próprio Centro/Niterói/São Gonçalo a Barra e da Barra/JPA ao Centro e se integraria com os ramais de Deodoro(Engenho de Dentro) e Belford Roxo (Del Castilho). Infelizmente, venderam uma idéia equivocada no sentido politico e fizeram uma obra com um prazo menor, mais barato, mas que também tem suas vantagens, principalmente para quem mora nas pontas da linha 2.

      Excluir
    32. Gabriel, longe de querer fazer propagando do Governo, mas a Supervia tem reformado diversas estações e o Governo comprou dezenas de composições.

      Sim, é possível fazer por superfície, que é sempre mais barato, feio, barulhento e desvaloriza imóveis ao seu redor.

      Excluir
    33. Marcos, sim. Facilitaria o deslocamente de quem vai de Belford Roxo à Tijuca ou a Copcabana por exemplo. As estações da Linha 2 seriam compartilhadas com as dos trens, como temos em Triagem, Maracanã e Central.

      Excluir
    34. O metrô precisa ser uma rede. Precisa cortar a Zona Oeste pela Linha 6. Tampouco se pode estender a Linha 2 até não poder mais.

      Excluir
    35. Marcos, a linha 2 seguindo pela linha amarela não ajudaria em praticamente nada em Jacarepaguá já que a linha amarela só tem 2 saídas aqui. Só mesmo a linha 6 resolveria o nosso problema.

      Excluir
    36. Miguel, sobre a SuperVia o que acho que melhoraria mas não sei se isso seria possível ainda mais com a reforma da estação Maracana era ter trilhos independentes pra cada ramal.

      Sobre a linha 5 perguntei pq é o único lugar que vejo ser possível por em superficie sem ter muito impacto já que seria ao lado da Av. Brasil e economizar tempo e dinheiro na obra.

      Excluir
    37. Nem tinha pensado nisso, Gabriel.

      Excluir
    38. O projeto que vi da Linha 5 era subterrâneo mesmo por baixo de trechos da Baía de Guanabara.

      Quanto mais trilhos independentes, mais caro é a obra. Mas sim, melhoraria muito a circulação. Trilhos independentes no metrô idem. Já pensou um expresso Pavuna - Botafogo?

      Excluir
    39. Eu jurava que usariam pontes nas linhas 5 e 6 pra entrar na ilha.

      Pavuna - Botafogo em trilhos independentes seria bom demais, ai sim os moradores de lá chegariam muito rápido na zona sul.

      Excluir
  4. Interessante esse estudo levar em conta a linha 5 original e a linha 6(mesmo que só até o fundão) que o governo nem fala mais....vamos ver o que vai dar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Governo quase nunca falou destas linhas, pois simplesmente não havia dinheiro. A Linha 5 ganhou uma sobrevida quando o Rio ganhou o direito do Pan.

      Excluir
    2. Então só qd as 1, 2 e 4 tiverem prontas, ou seja, daqui algumas décadas.

      Excluir
    3. Cada governo decide o que é Linha 1, Linha 2, Linha 4. Por exemplo, o Pezão (ou Cabrão) chama a Linha 1 de Linha 4; a Linha 4 de Linha 5; a Linha 2 de Linha 1A e por aí vai....

      Excluir
    4. Kkkk pior que isso é verdade....pra ele o trexo Jd. Oceânico-Recreio é linha 4 e o Gávea-Carioca linha 5 sendo que são a mesma linha.

      Excluir
    5. Pois é. E na Gávea ou em General Osório, os usuários vão fazer baldeação para seguir em frente e ainda terão seu número de linha mudado. Quem viver verá!

      Excluir
    6. O tamanho da minha torcida pra isso não acontecer é do tamanho da chance de acontecer, ou seja, enorme.

      Excluir
    7. Gabriel, nem perca tempo torcendo. Já vai acontecer. A Linha 1 (ou 4A) será: Gávea - Uruguai; a Linha 2 será Pavuna - General Osório I; e a Linha 4B será Jardim Oceânico - Gávea.

      Excluir
  5. Nada é tão ruim que não possa piorar...essa é a expansão Cabral - Pezão.

    Com a expansão Gavea-Carioca vc acredita que isso acabe ou a linha 4B irá até a Carioca?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriel, não sabemos. O estudo de como funcionará a operação só será concluído em 2016 após testes práticos que serão realizados de madrugada. Por mim não faz sentido existir Linha 4A e 4B.

      Excluir
  6. Fundamental é terminar a linha 2 - Belford Roxo - Carioca e destruir aquela estação da Cidade Nova ou melhor vende pra Supervia, depois termina-se a linha 3 e por fim a linha 4 levando até o terminal Alvorada.

    ResponderExcluir
  7. Queria saber se o Pezão irá cumprir o que prometeu, esticar a linha 1 da Uruguai até o Méier e seguir até Madureira, conectando com BRT.

    ResponderExcluir
  8. Tbm espero que não... Nunca torci tanto pra um político não cumprir uma promessa

    ResponderExcluir