terça-feira, 22 de julho de 2014

Moradores de Ipanema e Leblon com Medo

Os moradores de Ipanema e Leblon estão morrendo de medo com as obras da Linha 4 na Zona Sul. Foi por isso que três associações de moradores do Leblon organizaram um encontro entre especialistas e moradores para discutir o problema das obras e o risco de desabamento dos prédios. Confira o video do evento:


segunda-feira, 21 de julho de 2014

Metrô Chega Amanhã, Finalmente, a Ipanema

Em 20 de Dezembro de 2009, O Globo publicava que no dia seguinte a Estação General Osório seria inaugurada. A estação de Ipanema fazia parte da Linha Prioritária prevista para ser inaugurada em 1979. Foram trinta anos de espera e ainda construíram a mesma em local errado.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

O Metrô Chegaria a Niterói

A matéria do jornal O Dia dos anos 90 explica como seria viabilizada a construção das Linhas 2 e 3 (que na verdade seriam uma só) entre os municípios de Rio de Janeiro, Niterói e São Gonçalo.

Como todos sabem, até hoje......nada!


quinta-feira, 10 de julho de 2014

Trem Chinês Não Agüenta 8 Carros

Bomba! Bomba! Os trens chineses comprados por uma fortuna e entregues com toda a pompa pelo Governador Sérgio Cabral não têm capacidade. para transportar 8 carros!

Ou seja, a Linha 2, que tem plataformas para trens com 8 carros, jamais poderá aproveitar os trens chineses novos. Se um dia a Linha 2 voltar a ser independente da Linha 1, terá que usar as composições velhas.

Os carros dos trens chineses não têm tração e logo, os carros A não têm força suficiente para puxar tantos carros.

Mais um absurdo do Governo do Estado!

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Metrô da Cidade do Panamá (Panamá)

Do Brasil, falamos de Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR), Recife (PE), Salvador (BA), São Paulo (SP) e Teresina (PI).

Nas Américas, falamos de Buenos Aires (Argentina), Chicago (Estados Unidos), Cidade do México (México), Nova Iorque (Estados Unidos), Santo Domingo (República Dominicana) e Vancouver (Canadá).

Da Europa, falamos do de Copenhague (Dinamarca), Estocolmo (Suécia), Frankfurt (Alemanha), Lisboa (Portugal), Madrid (Espanha), Milão (Itália), Moscou (Rússia), Paris (França), Sevilla (Espanha), Sochi (Rússia) e Viena (Áustria)

Da Ásia, falamos de Doha (Qatar), Dubai (Emirados Árabes), Mecca (Arábia Saudita), Nova Déli (Índia), Pyongyang (Coréia do Norte), Tashkent (Uzbequistão) e Tóquio (Japão).

Da África, falamos do Cairo (Egito).

Chegou a hora de falarmos do primeiro metrô da América Central: construído pela brasileira Oderbrecht junto com a espanhola FCC, a Cidade do Panamá ganhou sua primeira linha de metrô que tem um trecho subterrâneo e outro em superfície.

O metrô foi inaugurado no último 05 de Abril. São 14 quilômetros de trilhos e 13 estações num investimetno de 2 bilhões de dólares. A linha liga o bairro de San Miguelito ao terminal rodoviário de Albrook.

A Estação de Los Andes é terminal temporariamente. Já foi aprovada a extensão para a Estação San Isidro.

Este ano será licitada a Linha 2 com previsão de inauguração em 2017.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Aguardando a Liberação do Tráfego à Frente

Por que o seu trem fica parado entre os túneis? Porque em vez de construírem a Linha 2, o Governo Sérgio Cabral preferiu construir a Linha 1A injetando trens da Linha 2 nos trilhos da Linha 1. Além dos intervalos de trens passarem a ser menores e as paradas nos túneis, a Linha 2 passou a circular com trens de 6 vagões, em vez de 8.




segunda-feira, 30 de junho de 2014

Cronologia do Lote 29

A cronologia do que foi feito ano a ano para a conclusão da Linha 2.

Cronograma:
1968: Primeiro mapa do metrô do Rio de Janeiro mostra a Linha 2 entre a Estação Belford Roxo e a Estação Praça Araribóia. O lote 29 seria composto pelo seguinte trecho: Estação Estácio - Estação Catumbi - Estação Praça da Cruz Vermelha e Estação Carioca.

Anos 70: O metrô decide substituir a Estação Catumbi pela Estação Praça XV. O novo trecho da Linha 2 no Centro passa a ser: Estação Estácio - Estação Praça da Cruz Vermelha - Estação Carioca - Estação Praça XV.

1987: Metrô define as estações restantes da Linha 2: Estação Praça da Cruz Vermelha, Estação Carioca e Estação Praça XV. O tatuzão (shield) escavará entre a Estação Estácio e a Estação Praça da Cruz Vermelha. O restante do trecho será feito pelo método cut and cover.

1988: Início da construção do túnel da linha 2 no Estácio, em direção à Estação Carioca (Lote 29). No trecho Estação Estácio - Estação Praça XV foram iniciados os serviços preliminares de instalação de canteiros de obras e implantação de desvios de tráfegos; e a montagem do shield (tatuzão) no trecho Estação Estácio – Estação Praça da Cruz Vermelha, cujo início da operação estava previsto para fevereiro de 1989.

1989: A obra na Estação Praça da Cruz Vermelha foi iniciada, com a execução do remanejamento da rede de serviços públicos, logo depois paralisada. No Estácio o tatuzão da construtora Camargo Corrêa estava pronto para iniciar os trabalhos de escavação da expansão da Linha 2, quando as obras foram suspensas. As obras de expansão da Linha 1 para Ipanema e da Linha 2 para a Praça XV foram interrompidas em função da Resolução n° 1469 do Banco Central que não permitiu o aumento do endividamento dos Estados e Municípios. No trecho Estação Estácio - Estação Praça XV, as obras se desenvolveram em 3 frentes, tendo sido realizados serviços de remanejamento da rede de serviços públicos, a cravação de perfis metálicos, e a conclusão do poço de partida do equipamento shield, no Estácio.

1990: No trecho Estácio - Carioca foram concluídas as obras de reforço do túnel NATM, junto ao Hospital da Polícia Militar. Apenas 12 metros de túnel foram escavados entre a Estação Estácio e a Estação Praça da Cruz Vermelha.

1992: Tapumes são retirados da Praça da Cruz Vermelha e da Avenida Mem de Sá.

1999: Governador anuncia intenção de levar a Linha 2 até a Estação Carioca.

2000: Mapa do Metrô Rio divulga Linha 2 com linhas pontilhadas entre Estácio - Praça da Cruz Vermelha e Carioca.

2003: Sérgio Cabral é eleito Governador prometendo terminar a Linha 2.

2006: Metrô Rio divulga planejamento das expansões. A Linha 2 ganharia o trecho Estácio - Praça XV via Praça da Cruz Vermelha e Carioca.

2007: Metrô Rio divulga mapa de como seria a rede metroviária com as novas expansões previstas até 2009. A conclusão da Linha 2 estava lá.

2009: Em vez de terminar a Linha 2, o Governador Sérgio Cabral decide construir a Linha 1A colocando os trens da Linha 2 nos trilhos da Linha 1. A Linha 1A foi inaugurada no final do ano.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Novo Nome para Estação em São Conrado

Agora ela se chamará Estação São Conrado / Rocinha.

Uma pena que São Conrado ganhará apenas uma estação de metrô. Num bairro comprido como este, uma grande parte do bairro se quiser pegar metrô terá que usar ônibus.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Cronologia da Estação Morro de São João

A Estação Morro de São João ainda não foi totalmente construída. Vamos cobrar sua inauguração dos candidatos a governador.

Cronograma:
Anos 70: O projeto da Linha 1 do metrô fluminense é definido e o bairro de Botafogo seria atendido por duas estações de metrô: a Estação Botafogo, localizada na Marquês de Abrantes, e a Estação Mourisco, localizada na quadra da escola de samba São Clemente.

1981: A Companhia do Metropolitano renomeia a Estação Mourisco para Estação Botafogo. A Estação Marquês de Abrantes não é construída, pois ela foi considerada muito próxima da Estação Flamengo. A Estação Botafogo é inaugurada. O metrô fica com o terreno na Rua Marquês de Abrantes e também possui um terreno na Rua Álvaro Ramos.

1987: A Companhia do Metropolitano elabora o Estudo Preliminar de Expansão do Metrô para
Copacabana, onde também é analisada a implantação de uma estação sob o Morro de São João, atendendo ao centro comercial Rio Sul. No mesmo ano a construtora CBPO apresenta o relatório Planejamento Básico – Projeto Metrô Copacabana, da expansão do Metrô de Botafogo até a Praça General Osório, com cronogramas e planos de obras. O contrato de construção de obras civis é firmado com a construtora Andrade Gutierrez S.A., através do contrato 1027/87.

1988: São realizados estudos de viabilidade para implantação da Estação Fazenda Botafogo, localizada entre Coelho Neto e Acari, e Estação Morro de São João, situada sob o Morro de São João em Botafogo.

1988: A Promon Engenharia elabora uma estudo para construção da estação São João, permitindo o acesso ao centro comercial Rio Sul. No mesmo ano a Companhia do Metropolitano elabora um Estudo de Viabilidade da Implantação da Estação Morro de São João, com acesso pela rua Álvaro Ramos.

1989: A Brascan, dona do Centro Comercial Rio Sul, negociou com o estado a construção da Estação Morro de São João. As obras de expansão da Linha 1 para Ipanema e da linha 2 para a Praça XV foram interrompidas em função da Resolução n° 1469 do Banco Central que não permitiu o aumento do endividamento dos Estados e Municípios. No trecho Botafogo - General Osório as obras foram atacadas em 7 frentes distintas, destacando-se a extração de 90 mil m³ de rocha e a concretagem de 10 mil m³.

1990: O estudo é complementado pela mesma equipe da Companhia.

1994: Centro Comercial Rio Sul negocia com o estado a construção da estação, após o estado ter desistido da obra por motivo de economia.

1995: Novo estudo foi feito para a construção da Estação Morro de São João. Não houve acordo entre Brascan e Estado para a construção da estação e o metrô foi direto para Copacabana. No entanto, o esqueleto da Estação Morro de São João foi feito. Ao andar no metrô, é possível ver as plataformas e os buracos de acesso à mesma.

1997: Em 25 de setembro de 1997, moradores de Botafogo, munidos de tochas, realizam protesto a favor da construção de nova estação na rua Álvaro Ramos, promessa do Governo do Estado.

1998: O trajeto Estação Morro de São João - Estação Jardim Oceânico, parte da Linha 4, é licitado. A Estação Morro de São João receberia trens da Linha 1 e da Linha 4.

2007: O estado renova a concessão por 30 anos com o Metrô Rio. A concessionária passa a ter a opção de construir a Estação Morro de São João. Não há obrigação.

2009: Abaixo-assinado solicitando a construção da estação com 20 mil assinaturas é entregue ao Governo do Estado. A Brascan anuncia que construiria a Estação Morro de Sâo João em seis meses e o escritório de arquitetura de Jaime Lerne desenha como ficarão as passarelas subterrâneas que ligarão o centro comercial à estação.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Iniciada a Construção de Atalho no Metrô

Em 14 de Janeiro de 2008, o Globo anunciava o início da construção da Linha 1A, que passaria a colocar os trens da Linha 2 nos trilhos da Linha 1 entre a Estação Central e a Estação Botafogo.

O projeto da Linha 1A foi um grave erro do Governo Estadual. Ele visava substituir o fim da construção da Linha 2, que teria a Estação Catumbi, Estação Praça da Cruz Vermelha, Estação Carioca e Estação Praça XV. Com a Linha 1A, foi construída a Estação Cidade Nova. Hoje, os trens páram toda hora nos túneis "devido ao tráfego à frente".

A conclusão da Linha 2 tinha sido uma promessa do então candidato Sérgio Cabral Filho ao Governo do Estado. Quem economizou com a obra da Linha 1A, muito mais barata do que concluir a Linha 2, foi a concessionária Metrô Rio. Uma desculpa esfarrapada que freqüentemente foi usada para a construção deste atalho foi o fim da baldeação na Estação Estácio.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Metrô de Viena (Áustria)


Publicamos aqui matérias de metrôs do Brasil e do Mundo.

Do Brasil, falamos de Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR), Recife (PE), Salvador (BA), São Paulo (SP) e Teresina (PI).

Nas Américas, falamos de Buenos Aires (Argentina), Chicago (Estados Unidos), Cidade do México (México), Nova Iorque (Estados Unidos), Santo Domingo (República Dominicana) e Vancouver (Canadá).

Da Europa, falamos do de Copenhague (Dinamarca), Estocolmo (Suécia), Frankfurt (Alemanha), Lisboa (Portugal), Madrid (Espanha), Milão (Itália), Moscou (Rússia), Paris (França), Sevilla (Espanha) e Sochi (Rússia).

Da Ásia, falamos de Doha (Qatar), Dubai (Emirados Árabes), Mecca (Arábia Saudita), Nova Déli (Índia), Pyongyang (Coréia do Norte), Tashkent (Uzbequistão) e Tóquio (Japão).

Da África, falamos do Cairo (Egito).

Chegou a hora de falarmos do Metrô de Viena (Áustria).

O Metrô de Viena ganhou em 2013 três novas estações e 4,2 quilômetros. Agora, ao todo são 104 estações, em 80 quilômetros de cinco linhas. Cerca 1,3 milhão de pessoas utilizam o metrô de Viena por dia.

O projeto básico de seu metrô foi concluído em 1967 e as obras começaram em 1969. Somente em 1978, o metrô de Viena foi inaugurado.

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Metrô de Brasília (DF)

Publicamos aqui matérias de metrôs do Brasil e do Mundo.

Do Brasil, falamos de Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Recife (PE), Salvador (BA), São Paulo (SP) e Teresina (PI).

Nas Américas, falamos de Buenos Aires (Argentina), Chicago (Estados Unidos), Cidade do México (México), Nova Iorque (Estados Unidos), Santo Domingo (República Dominicana) e Vancouver (Canadá).

Da Europa, falamos do de Copenhague (Dinamarca), Estocolmo (Suécia), Frankfurt (Alemanha), Lisboa (Portugal), Madrid (Espanha), Milão (Itália), Moscou (Rússia), Paris (França), Sevilla (Espanha) e Sochi (Rússia).

Da Ásia, falamos de Doha (Qatar), Dubai (Emirados Árabes), Mecca (Arábia Saudita), Nova Déli (Índia), Pyongyang (Coréia do Norte), Tashkent (Uzbequistão) e Tóquio (Japão).

Da África, falamos do Cairo (Egito).

Chegou a hora de falarmos do de Brasília (DF), que foi inaugurado em 2001.

O Metrô de Brasília (DF) é o segundo maior do país, perdendo apenas para o de São Paulo. Ele abrange os municípios de Ceilândia, Águas Claras e Taguatinga, Samambaia, Guará e corta o Distrito Federal.

Ao todo são duas linhas, 24 estações e 42,38 quilômetros de extensão. As duas linhas compartilham um trecho inicial de 19,19 quilômetros e depois se bifurcam em Y.

O Metrô de Brasília já tem outras três estações prontas que ainda não entraram em funcionamento e está construindo outras cinco.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Estação Carioca Linha 4

O projeto da plataforma da Linha 4 na Estação Carioca levou em consideração a possibilidade de baldeção entre as Linhas 1 e 2. Ou seja, o projeto não interferiu nas plataformas já existentes destas outras duas linhas.

O mapa ao lado mostra quatro possíveis localizações para esta plataforma da Linha 4 sendo que ela seria totalmente interligada à estrutura já existente da atual Estação Carioca.

Apesar do projeto conceitual terminar a Linha 4 na Estação Carioca, não se trata de seu fim definitivo. O projeto deixa claro a possibilidade de extensões a serem definidas por futuros governos. As duas mais aceitas são em direção ao porto e em direção à Praça da Cruz Vermelha.

Segundo o projeto conceitual também, uma vez o tatuzão chegando à plataforma da Linha 4 na Estação Carioca, ele seria desmontado e remontado na plataforma da Linha 2 e aí seriam construídas a plataforma da Linha 2 na Estação Carioca, a Estação Praça da Cruz Vermelha, a Estação Catumbi e o túnel terminaria na plataforma da Linha 2 na Estação Estácio.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Estação Santa Teresa

Após a Estação Laranjeiras o traçado deste projeto segue pelo maciço rochoso. A Estação Santa Teresa ficará dentro da rocha. No entanto, sua entrada será através do Largo do Curvelo. O passageiro descerá até a plataforma da estação através de 17 lances de escada rolante.

Como Santa Teresa já é alimentado pelo sistema de bondes que têm como estação final a Estação Carioca, é totalmente desnecessária esta estação.

Se fosse para construir uma estação intermediária entre a Estação Laranjeiras e a Estação Carioca do metrô, que fizessem uma Estação Riachuelo.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Estação Laranjeiras

A melhor opção encontrada para a Estação Laranjeiras é na antiga sede da IESA, ao lado da Rua das Laranjeiras e do Fluminense Football Club.

O projeto prevê que os trens cheguem à Estação Laranjeiras através da Estação Dona Marta. Entre elas, deveria haver uma parada na Praia de Botafogo, seja na Estação Botafogo, seja na Estação Morro de São João para permitir a baldeação entre linhas.

sábado, 7 de junho de 2014

Estação Dona Marta

A Estação Dona Marta é mais uma estação planejada para o bairro de Botafogo.

No entanto, ela é muito próxima da Estação Largo dos Leões. Uma das duas deveria não ser construída.

Melhor seria que a Linha 4 fosse até a Estação Botafogo ou a Estação Morro de São João e dali sim seguisse para a Estação Laranjeiras.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Estação Largo dos Leões

A Estação Largo dos Leões foi pensada para atender não somente moradores mas também a população que freqüenta a Cobal, clínicas, hospitais e comércio da região.

Sua construção seguirá o túnel da Rua Humaitá até o Largo dos Leões. O canteiro de obras ficará na mesma praça para minimizar o impacto no trânsito.

A Estação Largo dos Leões fica muito próxima à planejada Estação Dona Marta. Uma das duas deveria ser substituída pela Estação Botafogo, que recebe atualmente apenas os trens da Linha 1, e poderia receber em seu subsolo trens da Linha 4.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Estação Humaitá

Pelo projeto conceitual da Rio Trilhos, o metrô chegará da Estação Jardim Botânico à Estação Humaitá pelo eixo sob a Rua Jardim Botânico. É a alternativa estudada que menos interfere nos terrenos particulares e será a continuação da escavação até a Jardim Botânico que também seguirá sob a mesma rua.

Duas entradas da estação ficarão na Rua Humaitá e a maior no Espaço Cultural Sérgio Porto.

A previsão de inauguração desta estação é 2020.


quarta-feira, 28 de maio de 2014

Estação Jardim Botânico

A melhor alternativa para a ligação entre a Estação Jockey Club Brasileiro e a Estação Jardim Botânico é pelo eixo da Rua Jardim Botânico. Esta alternativa facilita a profundidade do túnel a ser escavada. Tal profundidade é necessária para minimizar eventuais efeitos sobre a drenagem do terreno (os lençóis freáticos, as raízes das árvores) e possibilitar as estações mais próximas da demanda.

A Estação Jardim Botânico não estava prevista na licitação da Linha 4 de 1998 mas ela é necessária para o transporte de turistas que visitam os parques do bairro e moradores.

A entrada da estação está prevista para ser no estacionamento do Hospital da Lagoa. No entanto, há um litígio entre a construtora João Fortes, gabarito da prefeitura e moradores do bairro. O terreno em frente ao hospital poderia ser usado pelo metrô: seja para canteiro de obras, seja para acesso à estação.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Estação Jockey Club Brasileiro

Em 2016, o Tatuzão terá chegado à Estação Gávea. Ele será desmontado ainda no túnel e será remontado no túnel da ligação Estação Jockey Club Brasileiro - Estação Jardim Botânico. De lá, o projeto da Rio Trilhos é que o tatuzão faça a escavação até a Estação Carioca.

Segundo os estudos da empresa, o túnel entre a Estação Gávea e a Estação Jockey Club Brasileiro será feito através da Rua dos Oitis em NATM em rocha e posteriormente em NATM em solo. A Estação Jockey Club Brasileiro ficaria na Praça Santos Dumont.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Os Planos da Concessionária em 2005

Em 2005, a concessionária Metrô Rio publicou em seu site os seus planos de expansão para tornar as Linhas 1 e 2 as mais rentáveis possíveis.

Neste projeto, a Linha 1 ganharia a Estação Morro de São João, a Estação General Osório, a Estação Uruguai, a Estação Praça Sachet, a Estação Grajaú, a Estação Barão do Bom Retiro e a Estação Méier. Destas, até o momento, apenas a Estação General Osório e a Estação Uruguai foram construídas.

A Linha 1A já fazia planos da concessionária, colocando os trens da Linha 2 na Linha 1. Isso foi feito e também construíram a Estação Cidade Nova, como previsto no mapa em anexo.

No projeto de 2005, apesar da Linha 1A, a concessionária também pretendia levar a Linha 2 até as barcas. Seriam construídas a Estação Praça da Cruz Vermelha, a Estação Carioca e a Estação Praça XV. Nada disso foi feito. Na outra ponta, ela desejava construir a Estação Vila Rosali, a Estação Agostinho Porto, a Estação Coelho da Rocha e a Estação Belford Roxo. Nada foi feito.

A concessionária também pretendia construir a Linha 2A. A Estação Colégio seria ampliada para receber outra plataforma. Também seriam construídas a Estação Avenida Brasil e a Estação Trevo das Margaridas. Nada disso foi feito.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Os Trilhos do Metrô do Rio

Ao lado temos o diagrama feito por Atílio Flegner dos trilhos do metrô do Rio de Janeiro.

Um dos detalhes interessantes do mapa é que ele mostra como é feita a sinalização em cada trecho do sistema. CML é a sinalização manual, usada ao longo de toda a Linha 2 e nos extremos da Linha 1. CML significa Comando Manual Livre e por ele o condutor tem liberdade de atingir qualquer velocidade. Essa condução é de alto risco para os passageiros. Ao longo de grande parte da Linha 1 temos o ATO (Automatic Train Operation). Neste sistema o condutor opera apenas as portas. A aceleração e a freada são feitas pelo piloto automático. Entre a Estação Cantagalo e a Estação Siqueira Campos temos o CMC (Comando Manual Controlado). Neste sistema, o condutor continua tendo que acelerar e frear, mas o trem "lê" a sinalização da via e não deixa o condutor passar da velocidade permitida. Esta leitura é feita quando o trem passa sobre tapetes especiais colocados sob a via. O do Rio é o PA135. Existe também o CTBC, onde os trens operam sem condutor mas este sistema não existe no Rio de Janeiro.

O Rio de Janeiro deveria investir na modernização da sinalização. Todo o trecho operado em CML deveria ser substituído por pelo menos modernos CBTCs, não o PA135, que já é ultrapassado.

Ao longo das Linhas 1 e 2, é possível ver diversos trilhos extras. Eles servem para armazenar trens e injetá-los nas vias em horários de maior movimento. Entre a Estação Del Castilho e a Estação Maria da Graça é possível ver um estacionamento de trens. Depois do Centro de Manutenção, é o maior pátio de estacionamento de trens no sistema metroviário da cidade.

O Centro de Manutenção da Linha 2, que era para ter sido construído entre a Estação Acari e a Estação Rubens Paiva, nunca foi construído.

sábado, 17 de maio de 2014

O Centro de Manutenção da Linha 2

O Centro de Manutenção da Linha 2 era para ter sido construído ao lado do Rio Acari, entre a Estação Acari e a Estação Engenheiro Rubens Paiva.

A Companhia do Metropolitano adquiriu o terreno, construiu a alça e o viaduto mas por falta de verbas no início dos anos 80, a obra não foi adiante.

Uma favela cresceu sobre o viaduto e o terreno do centro de manutenção deu lugar a um conjunto habitacional.

Hoje temos o Centro de Manutenção da Linha 1 superlotado. Além dos trens das Linhas 1 e 2, lá também estão os trens do antigo pré-metrô que operava na Linha 2.

O Governo Estadual encomendou catorze novos trens para operarem na Linha 4 a partir de 2016. Como não estão construindo tampouco um Centro de Manutenção da Linha 4, todos os trens ficarão no único Centro de Manutenção.

Há espaço para tanto trem no único Centro de Manutenção?

Por que tanto desleixo com a Linha 2?

quinta-feira, 15 de maio de 2014

TV ALERJ: O Sistema Metroviário

Tomara que os futuros governadores, políticos e executivos da concessionária Metrô Rio assistam a este programa: