terça-feira, 29 de setembro de 2015

Próxima Obra: Linha 2

 O Governo do Estado do Rio de Janeiro, liderado por seu Secretário de Transportes Carlos Osório vem trabalhando com sua equipe de especialistas em transportes e engenheiros para tirar do papel a obra de conclusão da Linha 2 Centro.

Há alguns motivos que levaram o Governo do Rio de Janeiro a trabalhar neste projeto: o trânsito caótico da cidade; a quase que proibição de se ir de carro particular ao Centro; a disputa com a Prefeitura pelo trecho Estácio - Carioca; a dispensa de cerca de dez mil operários do metrô após o fim das obras da Linha 4; não há verbas
para a expansão para o Recreio, nem para as Linhas 3 e 5; maior segurança para os metroviários; e a melhoria no serviço e na rapidez do metrô para seus usuários.

A Linha 2 foi projetada nos anos 60 e deveria começar em Belford Roxo e seguir até São Gonçalo. Parte dela foi inaugurada nos 80 e posteriormente nos anos 90. Grande parte dela nunca saiu do papel. Seu primeiro projeto detalhado previa que após a Estação Estácio, ela deveria seguir para a Estação Catumbi, Estação Praça da Cruz Vermelha, Estação Morro de Santo Antônio, Estação Carioca e Estação Praça XV até seguir para Niterói.


Nos anos 80, prevía-se que ela chegaria pelo menos até a Estação Carioca. Um tatuzão foi montado no buraco da Estação Estácio. Cerca de 80 metros foram escavados como teste. Sem repasses do estado que havia falido, a Camargo Corrêa desmontou o tatuzão e o levou para outro estado. No túnel da Estação Estácio, onde os trens fazem a curva para voltar em direção à Estação Pavuna, é possível ver o buraco.

Também nos anos 80, a Estação Carioca foi inaugurada. Ela é enorme! Ali era para ter sido construído um pequeno centro comercial (chamado de Cidade Subterrânea) e a plataforma da Linha 2, além das bilheterias, mezanino e a plataforma da Linha 1. Cerca de um terço da plataforma da Linha 2, no subterrâneo foi construído. Com o fim do dinheiro, a obra parou e abandonaram a plataforma. A escada de acesso foi escondida atrás de uma parede de alvenaria. A Cidade Subterrânea nunca foi feita, pois sem a circulação de passageiros entre as plataformas, não há demanda para os lojistas ali se instalarem.

Nos anos 90, o estado tentou retomar a obra, enquanto que levava o metrô até a Estação Pavuna na outra ponta. Há indícios não confirmados de que a parte inicial da estrutura da Estação Praça da Cruz Vermelha foi feita. Muitas máquinas trabalharam no solo da Avenida Chile por onde o túnel da Linha 2 passaria.

Nos anos 2000, a concessionária Metrô Rio acabou com o chafariz que ali funcionava. É verdade que a peça de arquiterura desperdiçava água. Seu objetivo era amenizar o calor esfriando o ar que vem da superfície e que deveria circular entre as duas plataformas e o centro comercial.

O Governador Sérgio Cabral criou o projeto da Linha 1A em 2008. A conclusão da Linha 2 voltou a ser discutida. Contra tudo e contra todos
os especialistas, engenheiros, sociedade civil, Clube de Engenharia, metroviários, etc, a Linha 1A saiu do papel.

Rapidamente se viu que a demanda pela Linha 2 não comportava nos trilhos da Linha 1. A primeira linha foi projetada para trafegar com seis carros e pegaria um grande número de passageiros na Estação Central. A segunda linha foi construída para que os trens trafegassem com oito carros sem passar na Estação Central e que seguisse até a Estação Carioca. A tal Linha 1A também colocou em risco metroviários pilotando as composições e funcionários trabalhando no
Centro de Manutenção.

Desde 2013, a concessionária vem solicitando ao Governo a construção do trecho final da Linha 2 Centro. São cerca de três quilômetros e meio entre a Estação Estácio e a Estação Praça XV. Trata-se de uma obra relativamente barata se comparada com as dezenas de quilômetros das demais expansões prometidas durante a campanha eleitoral do Governador Pezão.

Para a concessionária Metrô Rio, além de maior segurança e melhor prestação de serviço, ela ganharia muitos passageiros com o embarque de passageiros chegados das barcas na projetada Estação Praça XV.

Para o Governo Estadual, seria um alívio ao alocar parte de seus operários nesta obra. A Estação General Osório 2, a Estação Nossa Senhora da Paz, a Estação Jardim de Alah, a Estação Antero de Quental, a Estação São Conrado e a Estação Jardim Oceânico têm previsão de inauguração em meados de 2016, e a Estação Gávea no fim de 2017. Sem nova obra de metrô seriam dez mil desempregados!

Fora isso, o Centro ganhou com muitas reformas, o fim da Avenida Perimetral, a reforma de praças, a implementação do VLT e os novos museus. Só não ganhou mais metrô, nem novas linhas de barcas. Se está cada vez mais complicado de se dirigir ao Centro em veículo próprio e o trânsito para ônibus está caótico, é hora de investir no metrô. Com a demora da construção da Linha 2, a Prefeitura aproveitou e colocou linhas de ônibus exclusivas fazendo Estácio - Praça XV.


A conclusão da Linha 2 Centro possibilitará no futuro a conclusão da Linha 2 Norte com a Estação Vila Rosali, Estação Agostinho Porto, Estação Coelho da Rocha e Estação Belford Roxo.



O projeto final desta obra, o trajeto do metrô, as
estações, prazos, licitação, quem fará a obra, o planejamento detalhado,....nada disso ainda foi definido.

As Estações da Linha 2 Centro:
Estação Catumbi: Esta estação fazia parte do projeto original da Linha 2 e perdurou até o final dos anos 70 nos mapas da Rio Trilhos. Posteriormente, nas duas tentativas de se concluir a Linha 2, nos anos 80 e nos anos 90,
esta estação já havia sido retirada do projeto. Ela ganha força agora, pois no lugar do presídio que ali existia, agora há uma grande área residencial. Além disso, ela poderá servir para desafogar o acesso ao Sambódromo durante o Carnaval e outros eventos. Tem 25% de fazer parte do projeto.

Estação Praça da Cruz Vermelha: Se algo foi feito para a construção da Estação Praça da Cruz Vermelha não é possível confirmar. No lugar do terreno onde ficaria a estação subiu um prédio da Petrobrás. Será que é preciso deslocar a estação de lugar. Tem 80% de chances de fazer parte do projeto.

Estação Santo Antônio: Esta estação foi descartada logo nos anos 70 pela Rio Trilhos. Ela ficaria muito próxima da Estação Carioca. Só teria utilidade para interligar o metrô com o bondinho de Santa Teresa numa mesma estação. Seria mais fácil fazer uma saída do metrô para o bondinho por baixo de terra. Tem 1% de chances de fazer parte do projeto.

Estação Carioca: Cerca de um terço da obra foi feita. Ela é considerada fundamental e tem 100% de chances de fazer parte do projeto.

Estação Praça XV: Seria a nova estação terminal da Linha 2. É preciso que ela seja construída em profundidade suficiente para uma futura ligação por baixo da Baía de Guanabara com a Estação Praça Araribóia, em Niterói. Nunca foi feito um projeto detalhado da estação nem estudos do solo. Tem 90% de chances de fazer parte do projeto.

Ordem das Imagens:
Mapa das Linhas 1 e 2 dos anos 80, um dos mapas das Linhas 1 e 2 dos anos 60; o projeto da Estação Carioca; a plataforma da Linha 2 da Estação Carioca; o local de circulação de passageiros entre as plataformas na Estação Carioca; a Praça XV; mapa da Rio Trilhos mostrando o traçado após a Estação Estácio; mapa da Rio Trilhos mostrando a Estação Catumbi; mapa da Rio Trilhos mostrando a Estação Praça da Cruz Vermelha; e mapa da Rio Trilhos mostrando a chegada na Estação Carioca.

38 comentários:

  1. Pelas declarações do Osorio parece que a Catumbi sai agora essa Santo Antonio eu não sabia que já fez parte do projeto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriel, já fizemos um post sobre a Estação Santo Antônio aqui no blog.

      Excluir
    2. Dei uma olhada lá agora...vc acha que ela e a Catumbi teriam demanda? Pelo menos a Catumbi eu acho uma boa por estar se desenvolvendo agora a região.

      Excluir
    3. Acho que teria demanda sim. Saiu o presídio e entrou residências. Além do mais, a estação serve como segunda opção para chegada a eventos no Sambódromo.

      Excluir
  2. Sinceramente, levando em conta o histórico de falácias do (des)governo do estado, só acredito vendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, a conclusão da Linha 2 é uma promessa desde os anos 60. Vamos torcer!

      Excluir
  3. Uma dúvida, onde seria exatamente essa estação São Antonio????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito próxima da Estação Carioca.

      Veja aqui:
      http://metrodorio.blogspot.com.br/2015/07/estacao-santo-antonio.html

      Excluir
  4. É preciso que se debata a ilegal extensão do prazo de concessão. A concessionária ganhou mais 20 anos de concessão em troca do prolongamento da Linha 1 até Uruguai, E A LINHA 1-A. Daí a concessionária vai lucrar em cima do NOSSO PATRIMÔNIO em troca de uma obra inútil?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Flávio, você está certo mas eu não tenho esperanças quanto a isso.

      Excluir
  5. Mais agora me digam uma coisa e toda akele via e ponte construída sobre o canal de mangue até a estação cidade nova ela ficaria ali ou seria desfeita afinal foi gasto milhões na estação cidade nova se ela e uma estação inutil

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o MPRJ deveria agir. Aliás, lembro que alguns deputados entraram com esta ação mas não deu em nada. Há vários pontos: por que mudaram a Linha 4 original para a Linha 4 que estão fazendo? Por que destruíram o chafariz da Estação Carioca? Por que o CM da Linha 2 foi abandonado e se transformou em favela? Por que a Linha 2 não tem sinalização automática? Por que construíram uma Estação General Osório errada para depois fazer outra? E por aí vai...

      Excluir
    2. Só tomara que construam a Estação Praça XV na profundidade correta para que seja feita a expansão para Niterói sem a necessidade de uma nova estação.

      Excluir
    3. Pois é! Teremos que aguardar o projeto detalhado para vermos isso.

      Excluir
    4. Me pergunto o mesmo, mas quem sabe ela não integre uma nova linha futuramente...

      Excluir
    5. Não será desfeita, irão, simplesmente, operar dois serviços na Linha 2: Carioca ou Castelo via Lote 29 e Botafogo ou Ipanema ou seja lá o que farão com aquele cruzamento em nível cagado no Cantagalo. E não é nada do outro mundo, Nova York, Hong Kong, Tóquio, Seul e até a SuperVia aqui no Rio mesmo fazem operações deste tipo. Problema da Linha 1A é a falta de capacidade da estação Central de ser tal ponto de cruzamento, falta de estação terminal com pátio de manobra e, o principal problema, sinalização antiquada, incompleta e por vezes incompatível com o novo material rodante.

      Excluir
    6. Adriano, não há como fazer uma linha de passageiros que passe por dentro do centro de manutenção do metrô. Isso é um absurdo total, um risco de acidentes (que inclusive já matou uma metroviária).

      Excluir
    7. Rodrigo, na verdade, não está definido o que será feito com a Estação Cidade Nova.

      Excluir
    8. O mais provável é que continue operando no sistema de duplo Y proposto pelo Rodrigo, porém com intervalo maior para não atrapalhar a circulação da linha 1. passaríamos a ter a linha 2B e a linha 2A, sendo que a linha 2B(praça XV teria fluxo muito maior que a 2A).

      Excluir
    9. A intenção da concessionária era de não mais operar pela Linha 1A.

      Excluir
  6. Tenho um amigo que trabalha no metrô. Eles realmente vão fazer o projeto básico para entrar em licitação. Parece que vai ser Estácio-catumbi-praça da cruz vermelha-carioxa - praça IX mesmo.

    A idéia é desativar a cidade nova... É muito dinheiro jogado fora...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A concessionária Metrô Rio tem pedido esta obra. Não é Praça XI e sim Praça XV.

      Excluir
    2. Isso, "carioca" também. A estação cidade nova será um elefante branco. Tem que ver o que fazer lá. Concordo que tem que desativar mas tem que desativar e fazer algo útil.

      Excluir
    3. Só vão tirá-la. Ali não há nada a ser feito.

      Excluir
  7. A interligação do metro do Rio com a linha 3 ( S.Gonçalo, Itaborai) é fundamental como meta futura. Um projeto integrado deve ser elaborado. São mais de dois milhões de habitantes do outro lado da baía. É também o único modo de desafogar a ponte, hoje saturada. Com esta interligação o serviço de barcas para a Praça Araribóia seria extinto. Deste modo a Praça XV perde relevância e seria melhor uma estação Santos Dumont, dando recurso de metro ao aeroporto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renato, o serviço de barcas entre Rio e Niterói não precisa ser extinto. Além do mais, a Praça XV tem serviços de barcas para outros destinos do Grande Rio e ela abriga comércio, escritórios e centros culturais que atraem público. Ou seja, a Estação Praça XV precisa ser construída.

      Excluir
    2. Poderia ser uma estação praça xv/ aeroporto, atendendo a dois destinos carentes de transporte.

      Excluir
    3. A princípio não é isso que vão fazer. A Estação Aeroporto Santos Dumont faz parte dos planos da Linha 5.

      Excluir
  8. Eu vou conta por experiência própria sempre que eu vou na estação Estácio linha 2 me sinto bem seria tao bem ver o metro do rio funcionando em rede ver o povo ali no vai em vem e seria mais lindo ainda esse trecho concluído pessoais e os carros do metro vindo e indo e nda de chega lá e volta seria uma beleza essa obra simples e barrata saísse do papel

    ResponderExcluir
  9. Alguém aí sabe me dizer pooq a linha 2 não tem cm automático e pooq até hoje a sinalização e feita por sinal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Total falta de investimento e falta de vontade política.

      Excluir
  10. Alguém consegue estimar o preço dessa obra e comparar com o preço da linha 1A!!!

    ResponderExcluir
  11. O terreno da estação Cruz Vermelha não seria exatamente o mesmo do Centro Empresarial Senado. A "área non aedificandi" definida na região é o terreno aos fundos e estacionamento da Cruz Vermelha. Apenas uma parte das plataformas seriam posicionadas sob a calçada do CES, o que é garantido pelo afastamento do complexo para a rua em questã.

    Acredito que a estação mais "polêmica" no projeto seja mesmo a Catumbi, que possui inúmeras opções e algumas delas exigiriam afastar a estação Cruz Vermelha do terreno inicialmente imaginado. Catumbi pode priorizar o Sambódromo, parte da Cidade Nova, o próprio acesso ao Catumbu ou, ainda, os dois lados do túnel, servindo em parte a Moncorvo Filho, HemoRio e outros empreendimentos na região da rua Marquês de Pombal. Fora que não está muito claro que o traçado pela Frei Caneca/Túnel Martin Sá seja o ideal (é possível, e se evitaria o estaqueamento do túnel, seguir pela Av. Salvador Sá e curvar na Mem de Sá para entrar na Henrique Valadares).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendi. Eu acho que eles pretendem seguir o máximo possível o projeto original.

      Excluir