terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Estação General Osório: Pouco que Comemorar

Passada a euforia pela inauguração da Estação General Osório, o Carioca terá pouco o que comemorar. O Metrô do Rio de Janeiro está saturado. Sua capacidade está no limite. Não há escoamento do público usuário da rede de metrô porque não foram construídas mais linhas. No mesmo sistema caótico que já existia até o dia 21 de Dezembro, o Metrô poderá receber novos usuários através da Estação General Osório, a primeira do bairro de Ipanema.

O que vai acontecer é muito simples e o exemplo a seguir ilustra bem o fato. Encha um copo de água até a boca e observe. Não cabe mais água. Tente derramar água neste copo cheio de água e o que acontece? A água transborda. Espero que a abertura da Estação General Osório não cause mortes. Mas o Metrô está lotado. Para onde vai mais esta gente?

Semana passada o Metrô virou um caos por causa de descarrilhamentos. Era impossível chegar a Copacabana; as viagens levaram o dobro do previsto; tivemos superlotação e leitores filmaram os vagões viajando com as portas abertas.

A assessoria de imprensa do Metrô Rio gosta de repetir que nem papagaio que a Estação General Osório é a mais moderna da rede, com 12 elevadores, 17 escadas rolantes, 6 esteiras rolantes e 4 acessos em Copacabana e Ipanema. A nova estação é a terceira maior da rede, perdendo apenas para a Estação Carioca e a Estação Estácio. Será que isso resolve o problema de superlotação?

Claro que este blog era a favor da Estação General Osório. As obras da Linha 1, chamada de "Linha Prioritária" no passado e que se chamará "Linha Circular" no futuro, começaram em 1970 e deveriam ter sido concluídas em 1979. Até hoje não conseguiram concluir a obra, que teve mudanças: Copacabana teria cinco e não três estações. A Estação Morro de São João e a Estação Uruguai até hoje não foram feitas. Dizem que a Brascan, dona do Rio Sul, fará a obra da Estação Morro de São João em 2010; e que a Estação Uruguai será construída de 2012 a 2014.

As despesas da Estação General Osório agora são oficialmente da concessionária. Pergunto eu por que as obras da Linha 1 vão parar. Por que o Estado já não segue com a obra em direção à Praça Nossa Senhora da Paz. Segundo o Governo, a sobrecarregada Linha 1 quer ainda mais gente. Até 2016, estão previstas as construções da Estação Praça Nossa Senhora da Paz, Estação Jardim de Alah, Estação Leblon e Estação Gávea.

10 comentários:

  1. É uma tripa só. Eles acham que colocando mais trens e diminuindo o intervalo a coisa melhora, mas isso tem limite. Daqui a pouco com tanta gente na mesma linha a coisa satura novamente.
    Tinham que fazer uma linha que fosse cruzando a linha 1 e a 2 (que agora se uniu à 1 de vez, na tal ligação até botafogo).
    Quero

    ResponderExcluir
  2. Além dos problemas estruturais, da falta de linhas alternativas etc etc, vejam que falta de planejamento... Mesmo com a inauguração da nova estação que levará mais 80 mil passageiros à saturada linha 1 e ainda com a estação Cidade Nova, que levará mais alguns milhares, os novos trens do metrô que melhorará um pouco o problema da superlotação chegam apenas em 2011..Isso mesmo, 2011!! Até lá, mais 1 ou 2 anos de superlotação...

    ResponderExcluir
  3. Concordo, Carlos. A Linha 1 só vai crescer pelo planejamento deles. Vão estendê-la até a Barra e agora todas as estações podem ter baldeações para a Linha 1A. Uma loucura!

    ResponderExcluir
  4. PEC, só vão parar quando pessoas começarem a morrer!

    ResponderExcluir
  5. I
    A estação nem tem rabicho ainda. Foi num toque de caixa essa obra. Algumas estruturas internas não estão acabadas ainda, fora os torniquetes que via de regra não funcionavam. A arquitetura é muito pouco diferenciada das de Copacabana e meio estranha com aquelas placas empilhadas. A estação não está pronta! Fizeram o básico para se poder usar, mas ainda falta bastante coisa. E tem em alguns aspectos cara de apressada. Interessante é na falta do que fazer poder olhar para o X da estação, que é bonito.

    Mas como descrito na falta de rabicho, a sequência das obras será mais longa do que esperávamos.

    II
    O burburinho foi desfavorável. O pessoal preferia o sistema antigo de baldeação. Ver as estações Central e Botafogo fazendo esse papel mostrou o quanto elas não se prestam a isso. E o aspecto de improviso foi brabo... Aquele pessoal com o megafone dizendo que o trem iria para um destino e não o outro, a locução anunciando o destino do trem a vir (lembrando a Supervia) e aquelas placas laterais instaladas em cima da hora... Tirou a "cara de metrô" do metrô. Eu acredito em perda de passageiros por desistência, conforme havia acontecido na Flumitrens, que mesmo sendo na época bem mais barata que o ônibus a população desistiu em função da qualidade dos serviços. Com o metrô ainda por cima sendo mais caro, pode ter destino semelhante, mesmo que não na mesma escala. É inacreditáavel que tenham deixado e resolvido fazer isso. Em tudo quanto é metrô com mais de uma linha o mais normal é ter que trocar de trem. Baldeaar de uma linha para outra é uma coisa normalíssima. Seria menos estranho se as linhas se cruzassem, mas não há nada de errado com isso. Metrô sempre foi bem simples: bastava escolher a plataforma e embarcar no trem que aparecesse. Mas por alguma razão, a simplicidade os incomodava. E resolveram complicar...

    ResponderExcluir
  6. Pois é, Gabriel, reparei isso também. Estive lá ontem. Além do que vc falou, a escada de descida para pegar o metrô é muito estreita e o metrô está indo muito devagar de/para Cantagalo.

    ResponderExcluir
  7. Gabriel, os governantes colocaram a culpa na baldeação da Estácio. Nunca andaram de metrô na vida...só andam de helicóptero...uma pena. Hoje no Globo, senti que engenheiros e usuários finalmente lembraram que a Linha 2 não foi concluída. Precisam acabar essa obra já!

    ResponderExcluir
  8. Só o Sérgio Cabral mesmo para achar que esta idéia iria dar certo. Do jeito que está, é melhor que diminua mesmo o número de pessoas no sistema. Antes que acabe em morte.

    ResponderExcluir