quarta-feira, 19 de outubro de 2022

Vítima de Incêndio no Metrô Rio Desabafa

No último dia 13 de outubro, uma quinta-feira, um incêndio de magnitude mediana interrompeu a passagem de uma composição da Linha 1 entre a Estação Siqueira Campos e a Estação Cantagalo. André Luís da Rocha Batista, fisioterapeuta de profissão, um passageiro vítima deste incidente, nos deu seu testemunho:

"O incêndio ocorreu em algo que parecia uma plataforma de apoio entre as duas estações. Plataforma da qual até aquele dia nunca havia me dado conta de sua existência."

 

Passageiros Saem pelos Trilhos do Metrô 

O passageiro estava no primeiro vagão do trem. A viagem parecia tranquila quando uma forte gritaria chamou sua atenção que percebeu a fumaça cinzenta entrando pelo trem, que havia parado de circular. Um forte cheiro de borracha queimada tomou conta do ambiente e o desespero foi inevitável.

Tamanho é o amadorismo da concessionária Metrô Rio que o condutor apenas informou pelo altofalante que a composição ficaria parada ali até o problema ser resolvido. Ou seja, o treinamento do funcionário para casos de emergência foi zero!


Pânico e Nenhum Protocolo de Emergência

O pânico aumentou. Você imagina: calor, fumaça entrando pelas frestas do trem, forte cheiro tóxico e gritaria. Foi quando outros passageiros quebraram as janelas dos vagões para fugir dali. Parte dos passageiros fugiu para o túnel de serviço, enquanto que a maioria continuou dentro do trem por não saber o que fazer e pela dificuldade em sair pela janela para um túnel escuro sem pessoal de resgate.

"Fugi pela plataforma de serviço sentido Cantagalo, onde pude constatar a origem da fumaça na dita plataforma de apoio. A fumaça descia em gigantesco volume pelas escadas de acesso antes da Estação Cantagalo. Sofri diversas escoriações mas não recebemos apoio e auxílio dos funcionários do metrô, que sugeriram de forma vigorosa que os passageiros que podiam andar que deixassem a estação."

Segundo André, nenhum protocolo de emergência foi adotado e nenhum atendimento com primeiros socorros foi acionado. 


Polícia e Bombeiros Não Sabiam do Incêndio no Metrô

Nossa testemunha deu queixa na polícia. Os policiais ficaram desconfiados. Em casos de incêndio no transporte público, o Corpo de Bombeiros deveria ter sido acionado e avisado à polícia.

André Luís, morador de Botafogo, foi à UPA e presenciou várias vítimas sendo atendidas por intoxicaçãao por monóxido de carbono.

Os plantões dos principais jornais do dia noticiaram o incêndio sem muitos detalhes.

O G1 publicou esta notícia.

A foto ao lado mostra como ficou a Estação Botafogo por volta das 19h00, com a interrupção da circulação dos trens.


Como Contactar André Luis?

André Luis busca outras vítimas para fazer uma ação conjunta contra a concessionária Metrô Rio. Quem quiser entrar em contato com ele pode fazê-lo pelo email andreamorimconsult@gmail.com

4 comentários:

  1. Boa noite, Miguel! Agradeço mais uma vez pelo seu empenho em levar informações sobre o que poderia ser melhor meio de transporte do Rio de Janeiro. Obrigado também pelo espaço aberto para a minha denúncia e me coloco a disposição de todos que se encontravam no metrô naquele dia fatídico.

    ResponderExcluir
  2. E agora teve um acidente bizarro, em que uma pessoa morreu, após o trem dar partida com o braço da vítima preso no vagão, que levou a pessoa a ser arrastada e imprensada. Foi um horror.

    ResponderExcluir